cidadão.

(re)jeito.

não é você.
é seu jeito de ser.
a distância da realeza,
falta de beleza ou riqueza,
o jeito como me vê.
a dor que você tem,
a angústia que traz,
o amor que te trai.
o humor que não convém.
não tem jeito.

Anúncios
Padrão
cidadão.

polarizado.

me visto de vermelho e azul.
eu sou meu ditador,
meu intercessor,
meu santo.
meu ideal de bom.
só é certo se eu acho,
só é ruim se não quero,
só é verdade se acredito.
nasci melhor,
por pensar ou por descender.
sou meu servo,
meu ídolo,
meu corpo é templo pra mim.
num jogo de poder,
posso matar e morrer
se puder ganhar no fim.
o mundo gira ao meu redor,
juiz do que nasceu ou pensa pior,
morte a todos da oposição.

Padrão
o amor que pelo mundo vai.

presente.

trocaria todos os presentes
por te ter presente.
melhor do que dar,
ou do que receber,
é te ter na mente.

olharia sempre o céu,
se bem ao lado estivesse.
porque sempre, ao olhar,
desejo te ver
assim que passa estrela cadente.

acordaria sempre cedo,
rápido pra ver seu despertar.
aquele “bom dia” desejar,
sentir, mais do que saber,
que a vida acorda contente.

pularia sempre de alegria,
choraria junto na amargura.
tão belo quanto ser é estar,
lado a lado viver
a vida fluir, paciente.

canto e silêncio seriam iguais.
eles diriam juntos os mesmo versos.
pela vida, caminhar,
e ver o amor florescer.
futuro, passado, presente.

Padrão
além dos prédios

suficiente.

o que nos resta,
o que nos basta
se a nossa fraqueza é senhor?
e nosso corpo,
nossas vontades
escravizam e levam à dor?

grito desde a noite
sem esperar um amanhecer chegar

meu clamor não foi ouvido
e na dor, incompreendido
sem sentir, sem sentido algum eu vou
caminhar pra encontrar o amor

se as muitas águas não podem apagar
por que não se rende e se deixa levar?
se as muitas águas não podem apagar
por que desiste dessa chance de amar?

suficiente.
é graça. de graça.

Padrão
o amor que pelo mundo vai.

(entre)ter.

eu tinha tanto pra te falar,
tanto pra te fazer,
pra com você viver,
pra um dia, um só ser.

eu veria todos os filmes,
jogaria todos os jogos,
beberia todos os cafés,
se pudesse ser com você.

passaria, horas e dias
enlaçado em seu (a)braço,
tomaria cada passo
do que fosse pra acontecer.

ah… a realidade.
ela vem só me lembrar
que onde (ainda) é seu lugar
a solidão vêm me entreter.

Padrão
distopia.

sonho/vida

no sonho,
tudo é tão bonito.
cantamos juntos,
sorrimos grande,
andamos perto,
olhamos com amor.
temos bons momentos.
vivemos, sem pensar no tempo.

na vida,
tudo é tão cinza.
sussurramos sós,
ficamos serios,
paramos longe,
evitamos o olhar.
somos maus momentos.
morremos, sem pensar no que perdemos.

Padrão